Artigos

EU TE PROCLAMO HERÓI, ANDERSON

Anderson Garcia da Costa, jovem investigador, foi assassinado a pauladas, por um preso, no interior da delegacia de polícia civil em Pedro Gomes/MS, dia 25 deste mês.

O preso foi apenas o executor. A autoria intelectual está identificada na pessoa do Estado brasileiro, completamente omisso em relação ao sistema penitenciário. O Brasil tem, hoje, mais de 615 mil presos. Faltam mais ou menos 200 mil vagas só para melhor acomodação dos que já estão presos.

O resultado disto é que as delegacias de polícia vão se transformando em prisões, o que é uma aberração. Os delegados se tornam diretores de “presídios” improvisados. Os investigadores se transformam em carcereiros. E o ambiente, sem qualquer estrutura para essa finalidade, converte-se em local de alto risco para os policiais, que são pouquíssimos. Delegacia não é lugar de preso e os policiais não são carcereiros. São investigadores.

Desempenham o papel de polícia judiciária.

Espera-se que o assassinato de Anderson sirva de motivação e de vergonha para que o Poder Público encerre sua omissão em relação ao sistema carcerário brasileiro.

Eu te proclamo herói nacional, Anderson.

Publicação autorizada e compartilhamento solicitado.
Juiz federal Odilon de Oliveira. 


Parceiros

volta ao topo