Notícias do Sinpol-MS

Indígenas que assassinaram covardemente policiais civis são condenados pela Justiça

Os indígenas Paulino Lopes, Jair Aquino Fernandes, Ezequiel Valensuela e Lindomar Brites de Oliveira, foram condenados pelo homicídio dos policiais civis Ronilson Magalhães Bartie e Rodrigo Lorenzatto e a tentativa de homicídio de Emerson Gadani, no ataque conhecido como “Chacina de Porto Cambira”, no ano de 2006, em Dourados.

O julgamento foi realizado na 1ª Vara Federal de São Paulo porque a defesa solicitou a mudança de foro no Tribunal Regional Federal, alegando que o julgamento poderia ser parcial se fosse feito em Dourados, porém o resultado foi a absolvição de Carlito de Oliveira e a condenação dos outros quatro.

Foram 4 dias de julgamento, chegando a ficar quase 48 horas em sessão, sem interrupção. “As penas variam de 19 a 34 anos de prisão e é um reconhecimento feito pelo Tribunal do Júri de que não é possível passar por cima da lei. Foram 4 dias extremamente cansativos, mas ao final, a justiça foi feita” declarou Maurício Rasslan, advogado de acusação.

O policial civil Emerson Gadani, sobrevivente do atentado, foi aposentado por problemas decorrentes dessa situação e também prestou depoimento, revivendo o ocorrido de forma intensa e desconfortável.

O Sinpol acredita que a justiça finalmente foi demonstrada para a família Polícia Civil e para os familiares dos policiais vitimados. “Mesmo passados 13 anos de angústia, a justiça prevaleceu. Nada vai diminuir a dor das famílias, mas isso nos faz crer que ainda podemos confiar na justiça”, declarou Giancarlo Miranda, presidente do Sinpol.


Parceiros

volta ao topo