Artigos

Sonho de Infância

Quando pequenos, temos os nossos sonhos e esperanças do que seremos na vida adulta inspirados nas pessoas mais velhas que convivemos e as colocamos como ídolos. Lembro que meu tio era policial civil e sempre nos visitava, ou mesmo ia até a lanchonete da nossa família com uma viatura quando estava de plantão. Desde então, vi nele alguém que eu queria ser quando crescer. Dessa forma cresci e, entre idas e vindas, me tornei um policial civil também.

É importante mantermos essa chama nas crianças, ter pessoas inspiradoras para que elas vejam o que querem no futuro, ainda mais nesse momento que nos faltam exemplos. Diante de tantas notícias de corrupção, falta de caráter e a luta desenfreada pelo poder, faz-se necessário que busquemos valorizar as pessoas que realmente trabalham na defesa e na construção de uma sociedade melhor. Refiro-me a todas as profissões, desde que exercidas de forma honesta, policiais, professores, médicos, profissionais liberais e demais trabalhadores, enfim todos que carregam esse país com o suor de seu próprio trabalho.

Na brincadeira de polícia e ladrão, hoje em dia a polícia está perdendo, porém temos que virar o jogo, tentando como pais e mães orientar as nossas crianças pelo caminho do bem. As gerações que estão se formando não tem mais referência no que acreditar. No mundo da comunicação instantânea, onde até mesmo um bebê já consegue interagir nas redes sociais, a vigilância tem que ser constante, mas isso só não resolve. Tem de haver uma educação voltada para além dos conhecimentos didáticos, é preciso prepará-las para uma vida adulta norteada por bons princípios.

Portanto, resgatemos nossos sonhos de infância, sejamos nós a inspiração de que essas crianças tanto carecem, para que o futuro das próximas gerações seja melhor do que poderíamos imaginar. Feliz Dia das Crianças!

Giancarlo Corrêa Miranda

Bacharel em Direito, pós-graduado em Gestão em Segurança, escrivão da Polícia Civil e presidente do Sinpol/MSSonho de Infância

 

 


Parceiros

volta ao topo